De olho na tributação
621
post-template-default,single,single-post,postid-621,single-format-standard,bridge-core-2.5.9,translatepress-pt_BR,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-24.4,qode-theme-ligar design,wpb-js-composer js-comp-ver-6.4.2,vc_responsive

De olho na tributação

De olho na tributação

É preciso ficar atento à tributação. Separar atos cooperativos dos não cooperativos. “As cooperativas necessitam, de início, classificar dentre as atividades executadas àquelas que se enquadram no conceito de ato cooperativo, ou seja, praticados entre cooperativa e cooperado, dentro dos limites do objeto social e aos fins institucionais, de acordo com o artigo 79 da Lei das Cooperativas (Lei nº 5.764/71)”, diz o advogado Luiz Fernando Pimenta Peixoto, do escritório Lima Netto Carvalho Abreu Mayrink.

As outras atividades, segundo o advogado, devem ter suas receitas, despesas e resultados calculados de forma separada, por controles internos. Ele explica que a tributação dos atos cooperativos tem um tratamento mais benéfico pela legislação, ao passo que os não cooperativos (ou cooperativo atípico) são parecidos aos de operações normais de mercado e de prestações de serviços convencionais.

Leia a matéria na íntegra, clicando no link da bio.

Por Dr. Luiz Fernando Pimenta Peixoto, advogado do escritório Lima Netto Carvalho Abreu Mayrink.

Matéria veiculada no Portal Agronegócio.



pt_BR