Processos de infrações ambientais
715
post-template-default,single,single-post,postid-715,single-format-standard,bridge-core-2.5.9,translatepress-pt_BR,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-24.4,qode-theme-ligar design,wpb-js-composer js-comp-ver-6.4.2,vc_responsive

Processos de infrações ambientais

Processos de infrações ambientais

O setor de agronegócio precisa ficar atento às alterações nos processos de infrações ambientais. Em vigor desde o final de maio, o Decreto Federal 11.080/2022, que modificou vários pontos do Decreto 6.514/2008, que regulamenta a Lei dos Crimes Ambientais (6.015/1998).

“A principal mudança se refere à reincidência. Até então, considerava-se reincidente aquele que cometesse infração no prazo de cinco anos contados da data da lavratura do auto de infração. Com a nova redação, o tempo é contado do dia em que a decisão administrativa que aplicou a penalidade se tornar definitiva”, diz o advogado Luiz Felipe Calábria Lopes, do escritório Lima Netto Carvalho Abreu Mayrink.

Outra alteração importante, aponta o advogado, está na etapa inicial do procedimento administrativo. Antes, o infrator era intimado para ir à audiência de conciliação ambiental. Ele informa que, no novo sistema, o desconto de 30% no valor da multa só pode ser aplicado para pagamento à vista, o que anteriormente valia também se fosse parcelado.

Por Dr. Luiz Felipe Calábria, advogado do escritório Lima Netto Carvalho Abreu Mayrink Sociedade de Advogados



pt_BR