Georreferenciamento: vale a pena fazer mesmo quando a lei não o exige?
909
post-template-default,single,single-post,postid-909,single-format-standard,bridge-core-2.5.9,translatepress-pt_BR,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-24.4,qode-theme-ligar design,wpb-js-composer js-comp-ver-6.4.2,vc_responsive

Georreferenciamento: vale a pena fazer mesmo quando a lei não o exige?

Georreferenciamento: vale a pena fazer mesmo quando a lei não o exige?

O georreferenciamento é um instrumento importante para resguardar a propriedade rural e traz vantagens para o proprietário mesmo nos casos em que não é uma exigência legal.

O procedimento nada mais é do que a identificação dos limites do terreno por meio de coordenadas geográficas obtidas via satélite. Com isso, é possível descrever, na matrícula do imóvel, suas exatas confrontações, evitando conflitos de localização, tamanho e situação da terra. Além disso, o proprietário já se adianta no cumprimento de uma futura exigência legal, valorizando seu imóvel em negociações.

O georreferenciamento já é obrigatório para imóveis rurais com área superior a 100 hectares, e, até 2025, será obrigatório para todos os demais. Sem ele, não é possível vender a terra ou realizar outros procedimentos, como estremações e desmembramentos.

Advogada Flavia da Terra



pt_BR