STJ confirma validade da cláusula de renovação automática da fiança
892
post-template-default,single,single-post,postid-892,single-format-standard,bridge-core-2.5.9,translatepress-pt_BR,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-24.4,qode-theme-ligar design,wpb-js-composer js-comp-ver-6.4.2,vc_responsive

STJ confirma validade da cláusula de renovação automática da fiança

STJ confirma validade da cláusula de renovação automática da fiança

A 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, em 09/11/2022, editou a Súmula 656, definindo que: “é válida a cláusula de prorrogação automática de fiança na renovação do contrato principal. A exoneração do fiador depende da notificação prevista no artigo 835 do Código Civil.”

A fiança consiste em contrato acessório em que o fiador se obriga a cumprir a obrigação assumida pelo devedor no contrato principal, caso este não o faça. A fiança deve ser pactuada por escrito e não admite interpretação extensiva.

A prorrogação automática da garantia, que já era prevista no art. 39 da Lei do Inquilinato (Lei 8.245/1991) para os contratos de locação, passou a ser interpretada de maneira extensiva aos demais contratos. Com a Súmula 656, o STJ reafirmou o entendimento que reconhecia como válida a cláusula contratual de prorrogação da fiança nas hipóteses de renovação contratual, ressalvada a faculdade do fiador de, no período de prorrogação do contrato principal, promover a notificação para extinguir a fiança.

Por Dr. Victor Ciríaco, advogado do escritório Lima Netto Carvalho Abreu Mayrink

Tags:
,


pt_BR